quinta-feira, 26 de maio de 2016

Calvino: uma palavra reveladora...








Reveladora da sua do seu?


Segundo o reformador:


"Quem sustenta que é errado 

punir hereges e blasfemadores

pois nos tornamos cúmplices de seus crimes 

(…). 

Não se trata aqui da autoridade do homem, 

é Deus que fala (…). 

Portanto se Ele exigir de nós algo de tão 

extrema gravidade, 

para que mostremos que lhe pagamos a 

honra devida, 

estabelecendo o seu serviço acima de toda

 consideração humana,

 que não poupamos parentes, 

nem de qualquer sangue, 

e esquecemos toda a humanidade, 

quando o assunto é o combate pela Sua

 glória."

fonte:  John Marshall, John Locke, Toleration and Early Enlightenment Culture (Cambridge Studies in Early Modern British History), Cambridge University Press, p. 325, 2006, ISBN 0-521-65114-X

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Calvino


Palavras escritas por João Calvino, o grande e influente reformador, palavras escritas após a condenação de Miguel Servet: (https://pt.wikipedia.org/wiki/Miguel_Servet)

Ao estudarmos qualquer personalidade, personagem, grupo, escritor, filósofo... É necessário e absolutamente importante a compreensão de que vários estudiosos, religiosos, dependendo do país e do movimento ou corrente que pertença, vai gerar ou formar uma opinião ou conjunto de opiniões ideologicamente orquestradas. Então, neste sentido, é, em minha opinião, ver e rever, estudar e reestudar as mais variadas correntes e obras sobre um escritor ou pensador. Se, pesquisarmos diretamente de fontes calvinistas protestantes teremos "um Calvino". Se, pesquisarmos em fontes católicas romanas, teremos "outro Calvino". Se, pesquisarmos em fontes de autores historiadores marxistas, positivistas, nova história, teremos assim variadas manifestações e discursos sobre Calvino. Bem, qual a melhor forma então? Qual a melhor e mais neutra possível forma de estudar e formar nossa opinião, nosso conjunto intelectual sobre uma corrente filosófica, um conjunto de pensamentos, uma crença? Eu penso e aposto no ECLETISMO textual e intelectual! Várias fontes, ou o maior número de fontes possíveis... E também, o principal, a fonte do próprio escritor, filósofo, personagem histórico, o texto do autor citado! Nossa "lente da realidade" deve ser formada por várias "lentes". Buscando sempre a precisão e a neutralidade. Uma visão intelectual científica filosófica do real baseada do conhecimento empírico probatório... Sem excluir o artístico poético emocional...

Populismo... Sua Saga...




A SAGA DOS VAGA-LUMES PERTURBADOS...





Saga louca! 
Saga mórbida! 
Saga que parece irreal...
 Surreal! 
Saga imoral...
Saga dos vaga-lumes perturbados!
Dizem. 
Promovem-se. 
Gritam que são vaga-lumes!
Seres com luz própria! 
Salvadores! 
Que devem ser seguidos...
Obedecidos...
Admirados...
Eles são os sábios iluminados! 
Líderes, políticos, sacerdotes, generais... 
Muitos na História foram:
Vaga-lumes perturbados!
Levam a morte, a miséria, às lutas, às guerras, sofrimentos...
Delirantes lamentos... 
Mas, a luz deles não é eterna, se apaga, se cala...
Cai ridícula e desmascarada!
Luz falsa e desgraçada...
Guia de agonia! Guia errada! 
Via dolorosa de pensamentos errôneos!
Vaga-lumes perturbados:
Não parecem homens parecem demônios!
Desprezam o humano promovem o inumano!
Mentirosos que mentem... 
Vaga-lumes perturbados... 
Não pode a maioria aderir...
Nem uma minoria...
Devemos todos repelir...

Todo o vaga-lume perturbado!

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Tempo Humano... Humano Tempo...

Tempo Humano... Humano Tempo...






















Tempo Humano...


Humano Tempo...





Gerações? Quantas? Humanas gerações? Milhões? O que é o Tempo? As pinturas rupestres... As muralhas, os templos antigos, as primeiras formas de escrita... As migrações por terras arenosas, frias, com animais espreitando... Como mensurar o tempo do humano? Como compreender o passar dos dias na vida do ser humano? Nossa vida, desde o nascer até o falecer... Nossos olhos, nossa mente, nosso corpo... Mudanças, olhares, sentimentos, em cada parte, cada idade... Tantas vivências, imensuráveis números, inumeráveis momentos, vida, vida e mais vida... Bilhões de seres com seus pensamentos, suas emoções, suas ideias... Complexidade incomensurável! Sinto-me  pequeníssimo!  Não consigo descrever e expressar o que sinto... Tantos rostos, tantas pessoas, nossos rostos, nossas vidas, todos mudando, todos envelhecendo, caminhando, indo... Eis ali no futuro: A MORTE! Convido-vos a abandonar o fútil! O inútil! Tantos erros! Abandone-os! Cuide bem de você! Cuide de quem você ama! Cuide de sua comunidade! Ensine! Aprenda! Viva... Dignamente amando! Viva...


happy ? happiness ? feliz ?



Você é feliz?”


Sim feliz...
(Ta, mas o que é a felicidade?) Feliz?
 Com sua fé, crenças, rituais?
 Seu país?
Seus pais?
As pessoas que convivem com você?
Sua situação econômica?
Suas doenças e problemas?
 Afinal, (repetindo): o que é a felicidade?
Sua... Seu... Minha... Meu...
Notou que tudo tem que estar relacionado 
ao fato de você - ou eu - ter (possuir) algo?
 Será que é assim?
Será que somos assim tão egocêntricos, 
possessivos e fúteis?
 Será que as coisas mais relevantes 
não deveriam estar ligadas 
ao “SER”? Ao próximo? Aos próximos?
Você estar abastecido e completo com 
o seu “SER” e com os outros seres...
Ou seja: os laços humanos, 
a busca do pensamento livre, 
sentimentos e desejos de um bem estar social e individual...
Uma ação de preservar os valores humanos, 
culturais, benéficos, fraternais...
 Eis, já de cara, um mito apontado?
 O Mito da Felicidade!
Minto?
Palavras, pensamentos...
Textos ecléticos* são textos variados, 
surgidos em momentos diversos,
na vivência de um ser humano que é igual 
a você, 
mas é diferente de você ao mesmo tempo!

Já pensou se os pensamentos fossem tão 
prazerosos quanto os orgasmos?



*textos do blog e dos livros com exceção do livro O Brasil e o Positivismo.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Pensar... Pensar... Pensar...



Pensar... Pensar... Pensar...



https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/37/Auguste_Rodin_-_Grubleren_2005-02.jpg




Pensar: ação imaginativa criativa da mente?
Pensar: construção cognitiva sobre o real?
Pensar: "pesar" a realidade?
Pensar: essência do humano?
Pensar: manifestação da alma? Do espírito?
Pensar: uma ramificação de ondas de pulsares no universo cérebro?
Pensar: sem a comunicação - linguagem? Como?
Pensar... Pensa... Pensar...
Sinto tanto sobre o pensar, penso sobre o pensar...
O pensar define o que eu sou?
Posso controlar absolutamente e completamente o meu pensar?
Posso pensar sobre tudo?
Posso melhorar meu pensar?
Antes de escrever este texto pensei: e se eu escrever algo importante? Algo grandioso? Algo que mude que toque que vá...
Então aqui estou...
Sinto como se estivesse diante de uma tela branca com um pincel... Uma tela vazia que espera... Uma tela que aguarda que exige a mudança...
Eis os pensamentos... Como deixar eles livres?
Penso... Penso agora... Nessa busca de escrever livre, mas, não escrevo...
Estou preso, na mão que seguro o pincel há uma corrente e um peso... Estou ligado a tantas coisas, tantas coisas me ligam, me acorrentam, que sinto medo, medo de tantas coisas e possibilidades... Sou um covarde? Sim em algumas situações sim... Infelizmente ou felizmente sim... Tenho receio, tenho medo... E o futuro? E o que pensar sobre o futuro? E o que pensar sobre as possibilidades de falar absolutamente sobre o que penso? Deixo livre? Deixo solto? Não posso... Não posso...
Amo tantas pessoas, amo e não posso magoá-las, não quero, não desejo esta luta que já é uma derrota... Aqui estou, escrevendo algo inútil novamente... Não ouso, não vou, não consigo... E mais uma vez o texto nasce assim: abortivo...
Mas penso...
Você que esta lendo pensa...
Milhares de pessoas que trabalham para estas letras chegarem em cada pessoa que esta lendo pensam...
Os bilhões que já morreram pensavam!
Os vivos com raras exceções pensam!
Os que nascerem em um futuro próximo e em todos os futuros possíveis vão pensar!
Pensamos sobre nós mesmos!
Pensamos sobre os que amamos!
Pensamos sobre o divino!
Pensamos sobre o certo e o errado!
Pensamos sobre tudo que nos ofende e fere!
Pensamos sobre o prazer!
Pensamos sobre a guerra e a paz!
Pensamos sobre cada símbolo criado!
Pensamos e temos a possibilidade de pensar sobre cada dado sentido, produzido, interagido, de cada sentido que temos!
Pensamos sobre a História!
Pensamos sobre a sociedade!
Pensamos sobre a causalidade!
Pensamos sobre a imparcialidade!
Pensamos sobre a felicidade!
Pensamos sobre a capacidade!
Pensamos sobre a vida e a morte!
Pensamos, pensamos, pensamos...
Eis nossa realidade, nossa cina, nossa humanidade... O pensar!