quarta-feira, 29 de junho de 2016

Quando penso que me encontrei me perco? Quando penso que me perdi me encontrei?


Encontrar-me?
Me encontrar?
O que é encontrar-se?
Pensar em estar em um lugar e pertencer a este lugar?
Viver com pessoas certas?
Achar a profissão adequada?
O relacionamento adequado?
Uma religião adequada?
É realizar algo que não esperávamos?
E agora Kierkegaard responda: O homem encontra-se somente quando encontra Deus?
E agora Karl Marx responda: O homem religioso já se perdeu, a religião é o ópio de povo mesmo?
Quando penso que me encontrei me perco?
Quando penso que me perdi me encontrei?
Complexa é a nossa existência e seguro estou que caminhamos e vislumbramos a imprevisibilidade, a insegurança... Quanto maior o conhecimento produzido maior é a sensação de abandono, embora, a sensação de compreensão se expanda!       

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Um sonho épico em uma noite pós moderna surreal...


Um sonho épico em uma noite pós moderna surreal...


Em uma noite única! Afinal cada noite é única, cada dia é único e é ilusão pensar que são iguais... Nesta mesma noite única, assistindo telejornal, assistindo Youtube, vídeos antigos de programas antigos, lendo filosofia, refletindo sobre o cotidiano que parece sequencialmente repetitivo mas não é... Doente com uma rinite insistente e irritante...  Adormeci! Adormeci profundamente... Então eis a mente! Esse ente que parece outro mas é o nosso ente, nós... Esta parte de nós que faz com que nós existimos como somos... Então a mente, mentirosa mente, mente: Sonho! Estou escalando, ao caminhar escalo, subo, caminho, em frente, sigo, ouço outros passos, olho em volta, em diferente direções... Estou subindo o monte Olimpo, ouço mais e mais passos, uma multidão em volta! Uma olhada direcionada e vejo um boneco de ventríloquo, o boneco é Karl Marx, Engels o homem que o carrega? Hitler e Lutero de mãos dadas? Duas líderes inglesas anciãs em um beijo lésbico profundo? Outro olhar direcionado, uma fila interminável de bebês engatinhando, todos com celulares no lugar das rostos, em coral proclamam: "SOMOS A NOVA GERAÇÃO!" Outro olhar, eis no lugar da água do mar, objetos de plástico sujos misturados com petróleo e turbantes... O sol no horizonte é vermelho com um símbolo imenso de um refrigerante que é pai do papai noel... Caminhando próximos ao boneco de Marx, Harry Potter e Spectreman... Do outro lado Mao com Napoleão de mão dadas e um flerte pederasta... A multidão segue parece sem rumo e ao mesmo tempo parece ir aonde vou... Eu estou sem rumo? A multidão esta sem rumo? O sol esta sem rumo? A Nova Geração esta sem rumo? Subimos, seguimos vamos adiante... Outro olhar vejo porcos endemoniados com os símbolos dos partido políticos brasileiros, em seus grandes traseiros gordos estão enfiadas notas de dólares... Outro olhar, outra multidão doente, amontoada, suada, sem tratamento, em macas intermináveis, gemendo, moscas e pestilências, mas, em coro clamam: "O IMPORTANTE É A COPA E A OLIMPÍADA NO BRASIL!" Eis outros olhares e outras coisas que não posso citar de tão ignominiosas e chocantes, volto meu olhar para frente e sigo, a multidão segue, eis o topo, a chegada... Eu chego termino a caminhada a multidão para, todos olhamos, eis uma imagem: Nietzsche sentado em uma poltrona, Atena no seu colo, ele faz carinho no rosto dela, segurando com a outra mão um de seus seios, pede beijos... Hades e Zeus lendo seus livros e perguntando: "COMO?" E eu? Eu atônito digo: "Eis nossa realidade? Nosso mundo? Nossa vida? Nosso futuro? Nosso presente? Não gostei! Quero outro!" Acordei...   

quarta-feira, 22 de junho de 2016

O Niilismo Bate...


O Niilismo* Bate...




Somo humanos!
Percebemos o real!
Entre o divino e o terreno!
Entre o anjo e o animal!

Eis o ser que vislumbra a própria morte...
Eis o ser que sofre...
Eis o ser que acredita...
Eis o ser que ama...
Eis o ser que guerreia...
Eis o ser que comove...
Eis o ser que salva...
Eis o mortal que reflete sobre o imortal...
Eis o ser que inventou a Arte...
Eis o ser que transcende a natureza...
Eis a síntese de criador e criatura...
Eis o ser que interfere, modifica, cria, destrói...

Eis o homem! 
Homem eis...

Mas...

O Niilismo Bate... 
O Niilismo Bate...
O Niilismo Bate...

As verdades antes pregadas!
As certezas e os "ISMOS"!
As motivações!
As crenças!
As...

Diante da visível mudança!
Diante da constante mudança!
Diante da verificação de como é o que é!
Diante da verificação de como vai ser!
Diante da verificação de como será!
Diante da verificação ou tentativa de como foi...
Diante da incompreensível profundidade!
Diante do sofrer árduo!
Diante da morte dos que amamos!
Diante do nosso próprio futuro morrer!

O Niilismo Bate... 
O Niilismo Bate...
O Niilismo Bate...

E o universo?
E a realidade?
E Deus?
E o passado?
E o futuro?

Ó grandiosidade em incerteza!
Ó imensidão em imprevisibilidade!
Ó tanta Ciência corrompida pelo lucro!
Ó tanta Filosofia desvirtuada!
Ó tanta Arte que divide, que anula, que discrimina!
Ó tanta Religião, superstição, crendice, crença...
Que mata! Que engana! Que rouba! Que mente! Que fecha a mente! Que envolve e constrói um castelo de mentiras...

Então:

O Niilismo Bate... 
O Niilismo Bate...
O Niilismo Bate...

Na porta da realidade?
Na porta do coração? 
Coração?
Em um futuro aonde tudo se desfará, congelará, parará, apagará...

Sim Ele bate!
Mas tudo deve ser criticado até Ele...
Em um vazio de sentidos eis um sentido?
Em um vazio de existência eis o início de outra EXISTÊNCIA?
Em um vazio do real eis a negação deste suposto real como real verdadeiro?
Podemos estar errados? Sim!
Estamos sempre errados? Não!
Podemos estar errados em parte? Sim!
Podemos estar certos em parte? Sim!
Tudo criticar? Sim!
Tudo colocar sub a regra da ética, da racionalidade, do sentimento da busca do melhor - igual amor - da constante crítica das teorias, das crenças, das atitudes, dos relacionamentos, das escolhas, das guerras, da política? Sim! Mil vezes Sim!

Mas e o Niilismo?

Somo humanos!
Percebemos o real!
Entre o divino e o terreno!
Entre o anjo e o animal!

Esforcemo-nos para viver!
Lutemos para viver e viver bem...
Construir um futuro...
Depois do horizonte que haverá? Outros horizontes!
Então, qual base, qual sentido, qual direção?

Bom, precisamos iniciar por uma!
Pensei em uma neste momento...
Segundo Augusto Comte:

"VIVER PARA OUTREM"






* https://pt.wikipedia.org/wiki/Niilismo

terça-feira, 21 de junho de 2016

"FILHAS" DA HUMANIDADE!

AS CINCO FILHAS DA HUMANIDADE!




















A Humanidade tem cinco filhas:

Três mais velhas! Maduras! Firmes e Seguras...
Duas mais novas! Questionadoras! Doutoras...
Umas se dão bem, outras se detestam não se entendem!

Por opinião? Questão de fazer questão?
Diferente visão? Expressão!
Não sei! Acho que não!
As cinco filhas são: Arte, Filosofia, Ciência, Mitologia e Religião!

A Arte: uma das filhas mais velhas!
Expressiva, gosta de aparecer, protestar, extrovertida!
Acusada de ser ininteligível, muitas vezes santa ou sacra...
Outras vezes impura ou profana, laica. Dinâmica, induzida, prostituída!

A filha Filosofia é perguntadeira! Vive pensando...
Analisando, julgando, meditando, comparando e criticando...
É moça, uma das mais novas!
Moça às vezes arrumada, bonita, prendada!
Mas, outras vezes, despenteada, de bigode, falando alto ameaçando com:
Golpes de martelo?

Ciência é a mais novinha!
Filha trabalhadeira, meticulosa, racional, busca ser imparcial...
Inventiva, criativa, adolescente magrinha, bonitinha! Dialoga muito...
Estudiosa... Usa um grande óculos bifocal!
Filha que mesmo sendo novinha já deu muitos frutos...
E parece ser promissora sua carreira:
Menina ligeira! Intelectual! Tri legal!

Mitologia é uma das mais velhas!
Muito próxima de outra das mais velhas: a Religião...
Essa filha gosta de dar explicação!
Mas, nada parece ter sentido logo não...
Conta muita coisa com personagens, gosta muito de ficção!
Ilusão...

Religião, filha já madura, uma das mais velhas, complexa e complicada!
Dominadora, dogmática, tem quase dois metros de altura e é obesa...
Dona da razão, não gosta de sua irmã Ciência e influencia a Filosofia...
Manipula muito, a irmã Arte! Dá-se muitíssimo bem, com a Mitologia!

Essas são as cinco filhas!
Filhas da humanidade...
Complexas, diferentes, influentes...
Com elas a humanidade está na História, vivenciando, interagindo...
Lutando e fazendo paz:

Filhas que estão aí, desde milênios atrás!

segunda-feira, 13 de junho de 2016

LIVRE pensar...


MAS, EU PROPONHO O LIVRE PENSAMENTO!


 

 https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/a7/Eug%C3%A8ne_Delacroix_-_La_libert%C3%A9_guidant_le_peuple.jpg










Sobre?
Sejam tantas coisas possíveis...
Sejam tantas coisas impossíveis...
Reais, palpáveis, desejáveis, utópicas, imagináveis! Inimagináveis?

Mas, eu proponho o livre pensamento!

Sobre?
Isto, aquilo, aquele, aquela, o jogo da velha, a boca banguela, a vagina que pinga, o céu...
Esses, ajuntados, casados, enrolados, juntos, separados, amados e odiados...
Quando se vivia pouco, pintavam-se interiores de cavernas, lutavam com paus e pedras...

Mas, eu proponho o livre pensamento!

Sobre?
A História, a Filosofia, o Mundo de Sofia, a democracia, as hemorroidas, as patifarias...
O universo, os universos, os tantos versos, os controversos...
A fé, as fezes, as lágrimas, os risos, os cérebros ocos, os gênios, os gritos presos...

Mas, eu proponho o livre pensamento!

Sobre?
As alegrias da vida, as tristezas da vida, as certezas da vida... Quais?
Os que nascem, os que morrem, meu nascimento, minha morte... Quando?
A Arte, as partes, os encaixes, os engraxates, as reverberações da infância... Estou alto?

Mas, eu proponho o livre pensamento!

Sobre?
Deus existe? Deus não existe? Deus se importa? Deus se exporta? Deus?
O livro sagrado? Os livros sagrados? Os templos sagrados? As roupas sagradas?
A Corrente “A”? A Corrente “B”? As correntes e igrejas usando todas as letras...

Mas, eu proponho o livre pensamento!

Sobre?
Os amores, o sentir, o amar profundamente que não posso contar e medir...
O melhor de mim, o pior de mim, o que eu desejo que seja eterno o que eu desejo que morra...
O Cosmo em movimento, a realidade em movimento, o movimento...
Você que está lendo, pensando, sentindo, não gostando, ando, ando...

Mas, eu proponho o livre pensamento!

Sobre?
Propor o livre pensamento!
Não propor o livre pensamento!
Ser livre! Ser pensamento que pensa sobre o pensar! Penso eu sobre o meu pensar...

Mas, eu proponho o livre pensamento!

Proponho: para mim, para você, para todos, para todas, para a humanidade eu...


Proponho o livre pensamento!